quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Tudo nada bem

Ela não queria tudo bem. Não queria ter que colocar aquele sorriso no rosto e dizer que está bem. Ela não queria ter que engolir o nó na garganta e fechar os olhos quando as lágrimas quase caíam.
Ela queria poder dizer estava tudo péssimo, que tudo doía. Não da mesma forma de antes, aquela dor de saber o que dói e porque dói. Aquela dor de não ter. Aquela dor da falta.
Ela não queria o fim do mundo, nem desistir da vida. Ela queria aquele abraço com gostinho de amor. Aqueles carinhos com gostinho de eu te amo. Aquelas palavras com gostinho de você não está sozinha.
Ela não queria ter que olhar e sorrir. Disfarçar. Queria dizer, gritar, berrar. Porque parece que se não for dessa maneira, essa dorzinha aguda que sente no coração nunca ia ser percebida por ninguém.
Pois ninguém mais a conhecia além do sorriso e tudo bem.
Aquela dor, no fundo do coração, ela não queria ter que sentir sozinha.



"(...) Fazem parecer crime, mas ela não queria chorar anos ou se matar. Ela só queria poder se permitir ficar triste um pouquinho e tirar o sorriso do rosto e parar de dar altas gargalhas. E contar para qualquer um que à noite doía mais do que qualquer outra coisa. E abraçar alguém que fosse se importar de verdade. E ter alguém que saberia o que ela estava sentindo sem que ela precisasse explicar um livro inteiro. Ela só queria se permitir sentir enquanto fosse durar. Não tudo bem. Chega de tudo bem (...) "
Karine Rosa

Um comentário:

  1. "Ela não queria ter que olhar e sorrir. Disfarçar. Queria dizer, gritar, berrar." EU TE AMO! pode dizer, gritar e berrar pra mim que eu vou te escutar sempre, voce sabe :D

    ResponderExcluir