terça-feira, 29 de junho de 2010

Amor

Não, eu não me contento com um post sobre escolhas.
Não é suficiente. Pelo menos não pra mim.
Porque sentimentos continuam guardados, palavras continuam não faladas. E as coisas continuam iguais.
Não que eu tenha (muita) esperança de que as minhas palavras mudem alguma coisa, mas tentar sempre foi o meu forte, então, aqui vai.
Eu te amo.
Eu te amo desde a nossa primeira conversa. Não foi a primeira vista, mas foi a primeira conversa.
Naquela primeira noite que você passou aqui em casa, e que a gente conversou de minuto a minuto, sem parar, compulsivamente. Como nenhum homem jamais faria.
Mas você fez.
E você disse que me amava. Antes de eu dizer.
Isso também foi inédito.
E a partir daí foram dias e dias juntos, horas e mais horas ( muitas horas ) no telefone.
E desde então você se tornou meu... Tudo.
E não importa o quanto eu tente disfarçar, descaracterizar.
Você tomou conta do meu coração.
Com todos os defeitos que você carrega, e que às vezes pesam demais em mim... Mas não tem problema, eu aceito, eu relevo. Porque de tudo vale se você tá junto comigo.
E eu sempre achei que você seria 'o cara certo'. Afinal, não é isso que falam sobre aqueles que demonstram sentimentos, como você faz. Que ligam no dia seguinte, e no outro, e no outro, como você faz. Que dão presente, que saem juntos, que dizem eu te amo simplesmente por que tem vontade de dizer.
Como você faz.
Você fez.
Voce fez tudo que era preciso pra me ganhar, e você me ganhou. E a gente viveu junto.
Porque era junto!
Mas não é mais.
Na mesma mágica que começou, acabou. Começou como aqueles filmes lindos em que o cara é apaixonado por outra, mas conhece a moça que não é a da vida dele, mas ela se torna, e eles vivem felizes pra sempre.
Pois não foi essa a nossa história.
Você foi, sim, o moço da minha vida.
Mas nessa história não bastava apenas eu e todos os meus defeitos que pareciam sumir quando você segurava a minha mão.
Eu não fui suficiente. Eu nunca fui suficiente.
Sempre te faltava algo. E eu não era capaz de suprir isso.
E as palavras simplesmente saem e a vontade de dizer...
Fica comigo.
A gente parecia se encaixar tão bem, éramos tão perfeitos. Tão compatíveis.
Mas filmes não se tornam reais. Nem seriados se tornam reais.
E não importa em quantos deles eu procure frases e citações que digam o quanto eu amo você, não vou achar.
E mesmo que ache, não vai mudar nada.
Porque isso é vida real.

Nenhum comentário:

Postar um comentário